Como escolher o melhor método de tratamento de água?

etapas-de-tratamento-de-aguaVocê sabia que, para tratar a água e torna-la mais pura existem métodos variados? Eles se baseiam na qualidade da água que deverá ser tratada e também na tecnologia disponível. Hoje, são usados métodos como carvão ativado granulado, bloco sólido de carbono, osmose reversa, destiladores, entre outros. Para saber a melhor opção é preciso entender as suas necessidades.

Porque temos de tratar a água?

O tratamento de água possibilita torna-la potável e também possível de ser utilizada sem significar riscos a nossa saúde. Com o tratamento adequado da água, pode-se prevenir a transmissão de doenças por microrganismos patogênicos, controlar o sabor desagradável e o aparecimento de partículas, remover a cor excessiva da água e a turvação e extrair os químicos e minerais dissolvidos. Além disso, diminuir drasticamente a probabilidade de ter que chamar uma empresa de desentupimentos Lisboa ou desentupimentos Cascais.

Qual a origem da água que será tratada?

Antes de iniciar qualquer procedimento, você deverá saber de onde é proveniente a água que irá tratar. Se você recebe água tratada do município, poderá usar um filtro convencional para torna-la potável, porém, se a sua residência é abastecida por um poço, suas necessidades podem ser diferentes.

Como tratar e quais os cuidados devo tomar com a minha água de poço?

Antes de qualquer passo, você precisa descobrir se a água do seu poço é clorada, porque a cloração destrói bactérias e vírus, mas a água não poderá ser consumida dessa forma. Se a sua água for clorada, você poderá retirar o cloro com um sistema de pré-filtração na casa ou com acessórios removedores de cloro nas casas de banho. Na cozinha, é possível usar um sistema de água potável de bloco sólido de carbono.

estacao-de-tratamento-de-aguas

– Minha água não é clorada, e agora?

O ideal é clorar o seu poço, pelo menos, uma vez por ano, de preferência antes da primavera. Porém, é bom realizar o procedimento novamente caso note: presença de bactérias na água, mudança de cor, cheiro ou sabor, se o poço for novo ou tiver passado recentemente por consertos e instalações de tubos e se o poço foi contaminado por águas de enchentes ou de chuvas.

Você poderá realizar a cloração do seu poço sozinho ou chamar uma equipa especializada. Na internet, é possível encontrar vários sítios com o passo a passo da técnica. O importante é estar preparado para ficar até um dia sem água, pois o cloro deverá agir por, no mínimo, 12 horas.

– Minha água de poço apresenta matéria orgânica, turvação ou outro tipo de sujeira:

Isso pode acontecer em poços mais antigos ou com revestimento inadequado. Se você estiver a enfrentar essa situação, instale um pré-filtro de 10 a 15 microns para remover as partes maiores, antes que elas adentrem pelas canalizações da sua residência e cheguem as suas torneiras.

– Conheça o seu entorno:

Pesquise em sítios específicos sobre os relatórios de segurança da água em sua localidade e também sobre a incidência de contaminantes na água da sua cidade. É importante saber como está a água nos rios, leitos e lençóis freáticos para poder programar tratamentos específicos no seu poço.

– Há risco de contaminação por pesticidas?

Além de saber sobre a qualidade da água na sua região, descubra se o seu poço está localizado em uma área propensa a contaminação subterrânea por pesticidas, herbicidas e fertilizantes. Normalmente, as áreas agrícolas estão mais suscetíveis a apresentarem esse problema.

– Como é o seu poço?

Fique atento, pois poços rasos ou cavados podem apresentar contaminação por pesticidas, derramamento de petróleo e até excrementos de animais. Porém, essa contaminação pode ser retirada com o uso de filtros especiais, por isso, é muito importante conhecer o tipo de poço que você possui.

– Alguém da sua família apresenta problemas respiratórios ou asma?

Se isso acontecer, fique atento, pois deverá instalar um pré-filtro em sua casa. O aparelho deve ser capaz de remover 80% (ou mais) da entrada de cloro em suas canalizações. Outra opção é instalar um chuveiro com filtro de cloro em cada casa de banho.

Como tratar a água que recebo do abastecimento de minha cidade?

Em muitas cidades, a água que vem pelas canalizações é tratada e pode até ser consumida. Porém, o ideal é que você sempre faça algum tipo de tratamento antes, para se certificar de que não haverá problemas, pois, muitas vezes, poderá haver contaminação na caixa-de-água ou nas tubagens.

– Contaminação por tubagens de ferro ou de cobre:

Muitas casas antigas ainda possuem canalizações feitas com tubos de ferro ou de cobre. Com o tempo, esses tubos podem enferrujar e contaminar a água que chega até a sua casa, tornando-a imprópria para o consumo. Em alguns casos, é possível notar a olho nu a ferrugem presente na água. Se você estiver a enfrentar esse problema, o ideal é trocar todas as canalizações por materiais mais modernos como PVC. Também use um filtro específico para esse caso.

– Sujeira no reservatório de água:

O reservatório de água das casas e dos edifícios, muitas vezes, não são fechados como deveriam e permitem a entrada de resíduos sólidos e até animais- que acabam morrendo no local e contaminando a água que abastece o seu lar. Para evitar isso, mantenha sua caixa-de-água fechada (com tampa específica) e não se esqueça de realizar uma limpeza periódica no reservatório para eliminar qualquer foco de contaminação.

– Água com flúor:

Em algumas cidades, o tratamento de água inclui a adição de flúor, que, quando ingerido, ajuda a proteger os dentes e evitar cáries. Porém, algumas pessoas podem apresentar reações alérgicas a ele, além de não ser bem tolerado por idosos. Se você precisa consumir uma água totalmente sem flúor, use a tecnologia de osmose reversa com bloco de carbono sólido.

Qual a diferença de água mineral e água potável?

A água potável é toda aquela que pode ser consumida pelo ser humano sem o risco de contrair doenças, entre elas está a água mineral. A diferença é que a água mineral é extraída de fontes naturais e algumas têm ação medicamentosa.

Porém, antes de beber uma água mineral é preciso ter certeza da sua origem, já que algumas minas podem estar contaminadas e significar um risco a sua saúde.

Hoje fala-se muito em energia solar. Saiba tudo sobre a energia do futuro!

As alterações climáticas, os problemas de poluição do ar e das águas e outras questões ambientais têm ganhado força em todo mundo. Muitas pessoas estão a modificar seus hábitos de forma a buscar por soluções que não agridam o meio ambiente e que sejam capazes de manter os nossos recursos naturais para as próximas gerações.

Com isso, muitos países têm regulamentado formas alternativas de geração de energia – como a energia solar fotovoltaica- na tentativa de fomentar nas pessoas a busca e o uso de outras formas de geração de energia que sejam mais sustentáveis.

A energia solar é uma realidade em Portugal, mas, nem sempre, as pessoas estão cientes das inúmeras vantagens de se dispor de um sistema solar fotovoltaico em seus lares e empresas. Por isso, hoje, vamos explicar detalhadamente as vantagens de se usar esse tipo de sistema para obter energia eléctrica.

energia solar vantagens

– Não agride o meio ambiente, é uma energia limpa e renovável

A principal vantagem dos painéis solares é mesmo o bem que ela faz ao planeta. Sua fonte é a luz solar, algo totalmente acessível e que se renova diariamente. Para a transformação da luz solar em energia são utilizadas apenas placas e inversores, que não geram nenhum resíduo capaz de agredir os ecossistemas e os quais, para serem fabricados, não necessitam de nenhum desmatamento ou outras formas de agressão.

Por isso, quando falamos em fontes sustentáveis de energia, os sistemas fotovoltaicos são considerados um dos mais eficientes e amigos do meio ambiente.

– É um investimento rentável com baixo valor de manutenção

Embora os kits de energia solar fotovoltaica ainda sejam considerados com preço inicial alto, é importante salientar que este valor é um investimento, pois, dentro de anos, estará a poupar com a compra de energia eléctrica da rede pública – ou até mesmo estará a vender para ela, a depender da escolha de produção que tenha.

A maior parte dos kits possui um tempo médio de retorno do investimento entre 5 e 6 anos, porém, a vida útil desses equipamentos é em torno de 30 anos. Ou seja, com 5 a 6 anos você já terá pago seu investimento inicial e passará todos os próximos anos a poupar dinheiro.

Caso escolha por um kit de autoconsumo, você deixará de gastar uma determinada quantia mensal com a compra de energia da rede pública. Já se a sua opção for dispor de uma unidade de pequena produção, também estará a poupar, pois irá vender a energia produzida em seu sistema para a rede.

De qualquer forma estará a realizar um investimento, porque por pelo menos 25 anos não terá mais de pagar nada de contas de energia elétrica a rede pública.

Mesmo que os painéis necessitem de manutenção periódica, em geral, são ações simples e de custos baixíssimos, pois essa é uma tecnologia pensada e criada para ter um vida útil bem longa.

Por isso, ao adquirir um kit de energia solar fotovoltaica, estará a fazer um investimento poupando dinheiro para a sua família e ainda cuidando do meio ambiente para as próximas gerações.

Delegação do Ministério da Educação Belga visita o Porto

Uma delegação do Ministério da Educação de Flandres – Bélgica – visitou o norte de Portugal para inteirar-se de como funciona o sistema educativo português, partilhar experiências, metodologias e práticas de educação/formação, conhecer a aposta da formação profissional das escolas e refletir sobre os modelos de educação para o empreendedorismo.

A visita teve a duração de três dias e no segundo dia foi a vez de visitar a cidade do Porto. O dia começou com uma sessão na Área Metropolitana do Porto, mesmo no coração da cidade, liderada pelo Instituto de Empreededorismo Social. Para esta sessão o

IES selecionou a Tecla Colorida (com o schoooools) e a ColorAdd para apresentarem os seus projetos aos membros da delegação do Ministério da Educação Belga.

3 2 1

As duas apresentações foram de excelência e em muito agradaram a este simpático grupo. :)

game design

Schoooools Citado em Trabalhos de Investigação

Em 2013, o schoooools foi citado em pelo menos dois trabalhos de investigação. Uma dessas citações foi no artigo Gamifying Learning Experiences: Pratical Implications and Outcomes, publicado na revista Computers & Education (vol. 63 de abril de 2013): “Recently Simões, Díaz & Fernández (2013) presented a social gamification framework for http://schoooools.com, a social learning environment, which “aims to assist educators and schools with a set of powerful and engaging educational tools to improve students’ motivation and learning outcomes”.

A outra referência surgiu no artigo Reimagining Leaderboards: Towards Gamifying Competency Models through Social Game Mechanics, publicado nos proceedings da Gamification 2013 – First International Conference on Gameful Design, Research, and Applications: “Simões, Redondo and Vilas developed a social gamification framework for educational systems that was implemented for a series of elementary schools in Portugal [15]. Game elements were drawn directly from social games; for example, peer appraisal, including the use of a “like” button, giving and sharing rewards, and teamwork-based goals.”

Estes dois artigos referem o trabalho em curso no âmbito do schoooools e que foi publicado da revista Computers in Human Behavior: A Social Gamification Framework for a K-6 Learning Platform (autores Jorge Simões, Rebeca Díaz Redondo e Ana Fernández Vilas). Neste trabalho, o schoooools aparece como o caso de estudo de aplicação do conceito de gamification na educação. A gamification, termo para o qual não existe tradução para português, diz respeito à introdução de elementos característicos dos videojogos em contextos não lúdicos. Neste caso, o contexto não lúdico é a plataforma schoooools.

Este trabalho de investigação mereceu já este ano uma outra publicação no número 35 da revista eLearningPapers, cujo tema incide sobre os Ambientes Pessoais de Aprendizagem. Neste artigo A Gamification Framework to Improve Participation in Social Learning Environments (autores Jorge Simões, Rebeca Díaz Redondo, Ana Fernández Vilas e Ademar Aguiar) é dada continuidade à definição de uma proposta de um enquadramento de referência (framework) para aplicação de gamification em ambientes sociais de aprendizagem.

Esta componente de investigação complementa as outras iniciativas levadas a cabo pela equipa do schoooools ao longo de 2013 para dar a conhecer a plataforma e para sensibilizar os educadores para a importância deste tipo de ferramentas no apoio às atividades da escola.

Ação de Formação “Escola, Autonomia e Avaliação”

No dia 19 de novembro ocorreu mais uma participação do schoooools em eventos relacionados com a comunidade educativa, desta vez a ação de formação Escola, Autonomia e Avaliação. Esta ação, cujos destinatários são os docentes dos ensinos básico e secundário, decorre entre novembro de 2013 e março de 2014 e está a cargo do Agrupamento de Escolas Virgínia Moura (AEVM), no concelho de Guimarães (freguesias de Lordelo, Moreira de Cónegos, Guardizela, Gandarela e Conde).

A sessão de arranque, As TIC no Processo de Comunicação e Gestão do AEVM, contou com a presença do Ademar Aguiar, co-fundador da Tecla Colorida. Face à necessidade de soluções de gestão de comunicação neste agrupamento, o schoooools poderá vir a contribuir para essas soluções.

Cartaz de formação